quinta-feira, 31 de julho de 2014

Mais um enigma...


Que devemos privilegiar afinal: Os políticos? Ou as (suas) políticas?


"Com Sócrates não podíamos julgar a pessoa, com Costa devemos julgar a pessoa. Ignoremos por agora a incoerência socialista e festejemos que tenham finalmente chegado à boa conclusão: a personalidade de um político conta. E analisemos Costa. Este já fez o favor de referir, quiçá pretendendo gentilmente poupar-nos o trabalho, ‘liderança’ e ‘visão estratégica"

Ler o resto aqui.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

A “miragem” do crescimento económico...

“Mais vale um burro que nos carregue que um cavalo que nos derrube”

Nos últimos 3 anos várias são as vozes e as organizações políticas, que têm vindo a defender que a solução financeira para as contas públicas portuguesas não é a austeridade (com redução de despesas), mas sim o crescimento económico que levaria a um aumento da riqueza produzida e, consequentemente, a um aumento de Receitas Públicas (pelo adicional de impostos cobrados), e assim se resolveria o tal malfado deficit. Nada mais verdadeiro, digo eu. Só que, estes profetas do optimismo não nos dizem de uma forma séria e real, como é que isso se faz, ou como é que eles o farão: se descobriram jazigos de petróleo ou de diamantes, ou se têm uma "varinha" mágica.  E mais, cada vez que eles estiveram no Governo nunca o fizeram, ou o que fizeram foi exactamente o contrário.

Cometem ainda estes profetas do optimismo, em minha modesta opinião, outro erro de palmatória, que é defenderem que é através de Investimento Público, porque é esse que os governos dominam (habitualmente com aumento de salários dos funcionários públicos e pensões), que se faz o tal sonhado crescimento económico. Isso é o que eles têm feito, ao longo de 40 anos, sobretudo os governos socialistas, mas também os governos do PSD. Já nem falo dos comunistas e afins, porque esses, vivem noutro mundo, embora os exemplos mundiais onde governaram ou governam, falem por eles. Mas os resultados não têm confirmado as suas teorias, basta uma pequena análise ao historial financeiro dos últimos anos.

O que hoje aqui trago para reflexão, é a evolução de 4 variáveis ao longo dos últimos 14 anos e a sua relação com esse tal “crescimento económico” (que sendo essencial tem que ser real e não ficcionado), como solução para todos os males da economia portuguesa. Essa variáveis são:  

- O PIB real;
- As Receitas Públicas;
- As Despesas Públicas,
- E o PIB que seria “necessário” para sustentar as Despesas Públicas que tivemos e que temos. 

A primeira coisa a constatar no Gráfico 1 (de minha autoria) é a relação da evolução entre Receitas Públicas (linha rosa) e Despesas Públicas (linha amarela). Durante este período as Despesas foram sempre superiores às Receitas. Aliás, isso acontece desde o início do regime em 1974, embora com diferenças menores.



Entre 2000 e 2005, essa diferença situou-se numa média anual que rondou os 6 a 7 000 mil milhões de euros. Mas a partir dessa data, com a chegada de Sócrates ao Governo (e também António Costa, que é agora um dos arautos do “crescimento económico”), essa diferença não parou de aumentar atingindo o seu pico em 2009 e 2010, com uma diferença 17 200 milhões e 17 000 milhões de euros respectivamente; isto é, só nesses 2 anos essa diferença foi de 34 200 milhões de euros. Entre 2005 e 2010 o total de Despesas foram superiores ao total das Receitas em 63 400 milhões, isto é uma média de 10 600 milhões por ano. Uma “brutalidade” como diria um amigo meu.

A partir de 2011 as Despesas Públicas começaram a diminuir e, contrariamente, ao que se quer fazer crer (pela voz dos papagaios do regime), em 2013 as Despesas foram de 80 700 milhões (menos 8 300 milhões do que em 2010); e em 2012 tinham sido ainda menores: 78 200 milhões de euros. Em contrapartida as Receitas Públicas atingiram em 2013 o seu recorde (devido ao tal brutal aumento de impostos de Gaspar), atingindo o valor de 72 400 milhões de euros. O total acumulado de deficit público nestes 3 anos (apesar da herança socrática brutal em juros), foi de 26 300 milhões de euros, numa média de 8 700 milhões de euros ao ano.

Fixem-mo-nos agora na parte superior do Gráfico. A “linha azul escura” representa a evolução, em milhões de euros, do PIB português, isto é, de grosso modo, a riqueza produzida no país. No período de 2000 a 2010 verificou-se um crescimento constante do PIB em Portugal, embora ténue, aumentou em média cerca de 0,7% ao ano. Para avalizar da miserável gestão pública deste período, convém acrescentar que durante esta década, a Dívida Pública, através de empréstimos, aumentou aproximadamente 100 000 milhões de euros que foram lançados na economia portuguesa. A partir dessa data o PIB decresceu, e em 2013 foi de cerca de 165 000 milhões de euros.

Se fizermos as contas, verificamos que as Receitas Públicas (impostos, contribuições, fundos comunitários, e outras) ao longo deste período atingiram uma média de 42% do PIB/ano (Isto quer dizer, que ao longo destes 13 anos, 42% da riqueza produzida em Portugal, foi para o Estado), variando no intervalo entre 38% (2000 e 2001), e 45% (2011); os valores percentuais mais elevados registaram-se em 2011 (45%) e em 2013 (44%).

No entanto, como as Despesas foram sempre superiores à Receita, para equilibrarmos a balança e, não podendo mexer nas Despesas como exige o Tribunal Constitucional, só temos duas hipóteses: Ou aumentamos mais os Impostos, no mínimo 2 a 3 pontos percentuais (?); Ou lançamos mão do tal “crescimento económico”, isto é, temos que aumentar o PIB!

O problema é como? Então aqui deixo a minha visão:

Tal como se pode ver no Gráfico 1 na linha azul clara, podemos ver os valores que o tal “PIB necessário” teria que atingir, para permitir uma cobrança de receitas compatível com o nível de despesas que temos. Só para se ter uma ideia, em 2013 teria sido necessário ter tido um PIB de 183 400 milhões (mais 17 500 milhões do que o real), para fazermos face às Despesas de 80 700 milhões (com uma cativação de 45%!).

Mas esta situação é tão mais aberrante, ou impossível de alcançar, se observarmos os anos fantásticos do “camarada” Sócrates. Por exemplo em 2010, teríamos que ter aumentado o tal “crescimento económico” na módica quantia de 39 200 milhões de euros (+ 23% que o PIB real desse ano); e em 2009, ano em que o mesmo Sócrates aumentou as Despesas com pessoal e Pensões em 5 000 milhões de euros (para comprar a sua reeleição e encalacrou o país a partir daí), precisaríamos de ter um PIB de 209 800 milhões de euros (!), isto é superior em 25% ao que se atingiu, que foi de apenas 169 100 milhões de euros!

Por isso, meus amigos, quem acreditar que esses vendedores de banha cobra, conseguem a façanha do “milagre” de aumentar o PIB, pelo menos para 200 000 milhões de euros ou mais (porque eles prometem ainda aumentar a Despesa repondo Pensões e Salários na Administração Pública), façam favor, não hesitem, escolham-nos.

Eu por mim, preferia insistir no esforço compatibilizar as Despesas Públicas com o PIB real (42%), que dificilmente terá milagrosos aumentos (nunca o teve, e não será agora que o terá), nem que tivéssemos ainda que reduzir os tais 8 mil milhões que faltam para equilibrar a “carrada”, seria bem mais seguro do que cavalgar o tal cavalo que, possivelmente, nos vai fazer bater com os costados no chão.

Oxalá eu esteja errado. Até vamos guardando as margens...



terça-feira, 29 de julho de 2014

Aos “abrunhosas” deste país...

.... mas também dá para os costas, seguros, sousas, etc.

Prometo um dia destes voltar ao tema com a minha opinião, por agora fica este artigo em jeito de introdução, de Diogo Lucas - Lusófono convicto, e financeiro dedicado à causa do desenvolvimento e da sustentabilidade:


“Não julgue um qualquer político aí em Portugal que pode proclamar em meu nome que eu fui obrigado a emigrar por culpa deste ou daquele outro.

Acompanhando as notícias, como sempre vamos fazendo, não evito sentir-me usado e abusado quando ouço políticos falar de nós, jovens emigrantes. Viemos nós trabalhar para outro país, muitas vezes com a missão de um dia voltar e trazer algo mais para o nosso país, e, sem dar por ela, de repente somos estatísticas de arremesso político desses que vão entretendo as massas votantes com falsas juras de amor.

É verdade que alguns de nós se podem aproveitar e, em busca de atenção, se fazem também de vítimas. Mas, talvez se ouçam mais queixumes dos que ficaram em Portugal e dizem “obrigam-nos a emigrar” do que os que efectivamente saíram de Portugal. Porque acredito que os que saem não são do tipo de ficar e queixar, são mais do tipo de fazer e acontecer.

E, então, creio ser legítimo que, assumindo a decisão de arriscar e emigrar, e sujeitando-me a todas as incertezas e dificuldades, me possa sentir abusado ao ver alguns na televisão — com quem não me identifico nem tão pouco concordo – virem falar em meu nome e afirmar-se como fiéis defensores da causa do jovem emigrante. Perdoem-me se isto me revolta um pouco mas não me metam nas vossas quezílias politiqueiras. Não quero ser argumento nas guerras com os vossos inimigos que nem são os meus. Não quero, muito menos, ser usado precisamente por aqueles defensores dos “direitos adquiridos”, proteladores da sociedade acomodada, irreformável e retrógrada que representam exactamente o oposto daquilo em que eu acredito.

Senhores políticos: experimentem por de lado essa arrogância paternalista, que às vezes vos consome aí no conforto do nosso belo país, e talvez venham a descobrir que os motivos para emigrar vão muito além da vossa simplista argumentação. Talvez descubram que os emigrantes, especialmente o jovens qualificados, não são assim tão infelizes e vítimas como os fazem.

Talvez descubram que grande parte de nós decidiu emigrar por vontade própria, por ambição, por espírito aventureiro e curioso, ou por sentir que o percurso da sua missão neste mundo passa por essa etapa de enriquecimento pessoal. Talvez sintamos que teremos mais valor a acrescentar a Portugal quando um dia voltarmos com mais conhecimento, experiências e competências.

Não tenham pena de nós que tivemos o discernimento, a coragem e a capacidade de seguir os nossos sonhos e emigrar. Não tenham pena de nós que somos do tipo de português que faz mais do que se queixar e que luta pelo que quer.


E não julgue um qualquer político aí em Portugal que pode proclamar em meu nome que eu fui obrigado a emigrar por culpa deste ou daquele outro.”


Só tenho pena do Camané que foi apanhado nesta lamechisse para ganhar dinheiro à custa das emoções alheias.


segunda-feira, 28 de julho de 2014

Dom Sebastião? Ou mais um a vender gato por lebre...


Tem-se esmerado, nos últimos meses, a comunicação social do regime (Expresso, SIC, & companhia ilimitada) a enaltecer e promover mais um “dom Sebastião” da política portuguesa, num processo de sucessão pouco claro, para não falar mesmo em "traição", e tentar levá-lo ao colo a 1º ministro deste pobre país. Como se o dito, não tivesse já sido ministro de um governo (que por sinal até chegou a ser o seu nº2) de quem conhecemos os resultados, e presidente de uma Câmara que, dizem, não ser grande exemplo de governação. Um tal de António Costa.

Na ânsia de conquistar o poder, não olham a meios estes vendedores de banha da cobra, como se pode ver aqui. Indo ao ponto de prever um valor de 8 000 milhões de euros que estarão a fugir à Segurança Social (SS) fruto do Desemprego e da Emigração. Com os quais, diz o dito, irá repor os cortes das pensões e, talvez, os cortes das despesas com pessoal.

Se tivermos em conta que, actualmente, as despesas da Segurança Social com subsídios de desemprego rondam os 2 500 milhões de euros (Gráfico 1), e que quando ele esteve no governo pela última vez (1º governo de Sócrates, com essas tais belíssimas políticas), rondavam os 1 700 milhões de euros (anos de 2005 a 2007), e já havia cerca de 450 000 portugueses no desemprego, como aqui escrevi. Mesmo que reduzisse as prestações de desemprego a "zero", não se percebe onde irá, António Costa, buscar os outros 5 500 milhões!


É que 5 500 milhões de euros representam cerca de 40% das Receitas Correntes (14 700 milhões em 2012) da Segurança Social em Portugal! Valerão as contribuições para a SS das pessoas que emigraram nos últimos 3 anos assim tanto? Ou deveria António Costa fazer melhor as contas?

Ai Portugal, portugal...



domingo, 27 de julho de 2014

Afinal não são assim tão diferentes...


PSD – 2, 6 milhões!
PS – 2,7 milhões!
CDS – 5,5 milhões!

Mas o PCP, 4,5 milhões???

Bem prega frei tomás (camarada jerónimo)...


sexta-feira, 25 de julho de 2014

"Gorjas" e afins...

Este país está que não se entende. Veja-se que, agora, anda meio Portugal agitado, apenas e só, porque Ricardo Salgado terá recebido e se terá esquecido de declarar uma gorjeta de 14 milhões de euros, provinda de um “pato bravo”, a quem o espírito santo terá ajudado em algum milagre, ou coisa do além. Não se percebe.

Então num país super católico, que todos os anos desembolsa milhões em oferendas a todo e qualquer santo das mais variadas paróquia, a maioria das vezes sem que se veja o resultado de suas intervenções, qual é o alarido por esta oferenda a mais esta divindade? Ah e tal que são 14 milhões, e isso é muito dinheiro; porque é que alguém oferece uma prenda tão valiosa; como é que alguém se pode esquecer que recebeu tão grande verba; etc. etc. O costume. Cá para mim não passam de invejas de outras divindades. É que não nos esqueçamos que, o espírito santo, é a 3ª pessoa na hierarquia da santíssima trindade. E qual não terá sido o milagre? Às tantas transformou o "pato bravo" em avestruz!  

Quanto ao esquecimento de declarar a "gorja" pela criatura? Nada mais natural. Eu próprio, que nunca fui nenhum santo, e quando era chamado a ajudar o próximo na minha actividade profissional, como por exemplo administrar uma simples injecção ou medir a tensão arterial, várias foram as vezes em que os beneficiários, como gratidão pelo alívio de suas maleitas, me presentearam com uma pequena moeda, dizendo: - É para beber um cafezinho senhor enfermeiro, e desculpe ser poucochinho, mas a vida, anda pelas horas da morte. Claro que eu nunca queria aceitar, e lá me ia desculpando que não tinham que me dar nada, porque o “estado” (isto é os contribuintes que eles eram), já me pagava, e, eu não podia aceitar. Mas a maioria das vezes as pessoas lá deixavam a moedita (100 escudos primeiro, e 50 cêntimos depois), sem que desse por tal em cima da secretária. E não foram raras as vezes que eu me esqueci da oferenda.

Não eram 14 milhões! Claro. Mas o espírito santo deve ser uma criatura muito rica (nem que seja apenas pelas esmolas que recebe desde que o mundo é mundo), e os 14 milhões podem ser para ele, o que eram para mim os 50 cêntimos... 

O mundo dos outros....


O dinheiro não aparece sempre, há coisas que, afinal, acabam por mudar. Até quando menos se espera.

“A espiral de dívida que engoliu o grupo (Espírito Santo) é fruto de erros de gestão e de muita megalomania, da convicção de que o imenso poder da família e de Ricardo Salgado – associado a um nome antigo e prestigiado – continuaria a abrir todas as portes, e cofres, que fosse necessário. Mas isso não sucedeu porque nunca sucede de forma indefinida. Quando essas portas ficaram reduzidas à PT, percebeu-se que tudo tinha acabado – e acabou agora para o GES como tinha acabado em 2011 para o nosso país e o governo de José Sócrates. Como país aflito, tivemos então a ajuda de quem nos assegurou o financiamento destes três anos; como família endividada, os Espírito Santos não tiveram, nem poderiam ter, a ajuda do erário público ou do banco do Estado. É isso que explica que a família tenha falido e nós ainda não.”

(...) Pelo que sabemos até ao momento, há pelo menos duas coisas que se passaram de forma muito diferente do que antes era hábito. Primeiro, o Banco de Portugal, mesmo sem fazer estardalhaço público, estava há muito tempo a tratar de separar o BES dos activos contaminados do grupo. Se não o tivesse feito não sei como estaríamos hoje. Depois, houve um governo e um primeiro-ministro que disseram não a Ricardo Salgado, alguém que se recusou a pedir ao banco do Estado para ajudar a família em dificuldades, uma recusa que, sejamos claros e francos, não era sequer imaginável há dois ou três anos. Sobretudo não seria imaginável no tempo no tempo do governo anterior, no tempo em que Ricardo Salgado era cúmplice (e parceiro) da estratégia política de José Sócrates.”

Ler o resto Aqui.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Reflexões...



“Existe um complot de medo que abarca milhões de pessoas. É um complot que já não se sustenta unicamente na perspectiva de que o Estado devore a sociedade mediante regimes ditatoriais, ou que a sociedade faça desaparecer o Estado mediante uma revolução de massas, mas na possibilidade de vir a ficar excluído ou marginalizado. A exclusão é o problema. Se o Estado Social se encontra hoje descapitalizado, se está em ruínas ou foi parcialmente desmantelado, é porque as principais fontes de benefícios do capitalismo se deslocaram da exploração da mão-de-obra fabril para a exploração dos consumidores.”

Ler mais Aqui.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Estes são os descendentes de José Gonçalves Bugalhão (1754 - 1810)

Algumas imagens (Fotos da autoria de Fernanda Bugalhão e Tó Zé Bugalhão)









































sexta-feira, 18 de julho de 2014

IV Encontro da Família Bugalhão (19/7/2014)


“Quem não tiver história e tradições perde a sua identidade e, consequentemente, o seu espírito crítico e a sua auto-confiança ficarão diminuídos.” 

Amanhã dia 19 irá ter lugar o IV Encontro da Família Bugalhão, onde se irão juntar perto de uma centena de membros do clã. As raízes deste apelido têm origem no concelho de Marvão, e estendem-se no tempo por mais de 4 séculos.

Aqui fica o resumo da Árvore de Costados de 8 gerações da família. Mas já existem pelo menos mais 3 gerações, muitos dos quais se irão juntar amanhã.




De acordo com as minhas pesquisas, o 1º individuo a usar este apelido nasceu em 1754 (Reinava em Portugal D. João V), e foi baptizado com o nome de José, era filho de José António Toureiro (família oriunda de Alpalhão) e de Antónia Maria Serrana (família com origens no concelho da Guarda, freguesia de Arrifana). Durante os seus 57 anos de vida (faleceu em 1810), e como era habitual naqueles tempos, era conhecido por 3 nomes: José Gonçalves Serrano, José António Toureiro e José Gonçalves Bugalhão. Casou 2 vezes, primeiro com Catarina Maria (de quem teve pelo menos 6 filhos), e depois com Maria do Carmo (não tiveram filhos). Era Moleiro na aldeia da Ribeira da Ponte Velha, e já era descendente de família de Moleiros, como Moleiros continuaram a ser os seus descendentes até finais do século passado. Pertenceu à Irmandade dos Franciscanos. Apenas o seu filho João, nascido em 1783, deixou descendência (12 filhos).

O seu Testamento, lavrado 4 dias antes da sua morte, encontrei-o no Arquivo Distrital de Portalegre, e “reza” assim:

“Testamento de José Gonçalves Bugalham, moleiro morador na Ribeira deste termo.
Aprovado em 2 de Abril de 1810, conduzido e lavrado na forma do estilo.
Faleceu em 6 de Abril de 1810.”

J.M.J 2-4-1810

Em nome de Deus, Ámen. Este he o meu testamento que eu José Gonçalves Bugalham, viúvo que fiquei de Maria do Carmo, morador no moinho da Fonte Santa, faço para bem da minha alma e discargo de minha consciência.

Primeiramente encomendo minha alma a Deus, Nosso Senhor que a Criou e Remiu com o seu precioso sangue na árvore da Santa Cruz lhe peço me tome contas com misericórdia quando a minha alma se apresentar no Tribunal Divino e der contas de meus pecados, e o mesmo peço à Virgem Maria, minha mãe e senhora que interceda por mim a seu Bendito filho como peço ao Anjo da minha guarda e a todos os Santos e Santas da corte do Céu que roguem ao mesmo Senhor por mim.

Determino que sendo Deus servido e me leve da vida presente para eterna meu corpo seja envolto em um hábito de esmola de dois mil réis do Nosso Padre Sam Francisco e sepultado na minha freguesia, e me acompanharão de huma das casas da Vila até à sepultura sete Padres Clérigos e me dirá cada um uma missa de corpo presente, de esmola de cento e oitenta réis e me cantarão hum Ofício ofertado no dia do meu falecimento, aliás no primeiro desimpedido, e me acompanharão todas as Confrarias da Cruz pela esmola do costume santo, excepto daquelas de que sou Irmão. Item quero que se aplique pela minha Alma, um trintário de Missas e três trintários por meus encargos tendo-os aliás pela minha alma. Item quero que se apliquem por Alma de minha primeira mulher duas missas. Item quero que se apliquem por Alma de meu Pai duas missas e por Alma de minha Mãe outras duas e por Alma da minha Avó Maria Vaz duas Missas. Item quero que se apliquem aos Santos e Santas da minha devoção a cada um sua Missa, a saber: ao Anjo da minha guarda, outra à Senhora da Estrela, outra à Senhora da Guia, outra à Senhora da boa morte, outra pelas Almas do purgatório, outra a Sam Miguel, outra a Sam Pedro.

Item deixo o Curral da parte além da Ribeira, que comprei a Isabel da Silva de Moura ao meu filho Carlos. Item deixo o remanescente da minha terça a todos os meus filhos e filhas aos quais instituo por meus universais herdeiros.

Item: quero que José Fernandes Moleiro siga o meu testamento e lhe deixo pelo seu trabalho dois mil e quatrocentos réis e lhe peço faça pela minha Alma o que eu faria pela sua.

Declaro que meu genro Manuel Lopes está pago da legítima que pertenceu a sua mulher Teodora por morte da minha mulher.

Declaro que dei conta da legítima que pertenceu a minha filha Jacinta por morte da minha mulher doze mil réis o mais se lhe está devendo.

Declaro que me deve meu filho João dezoito mil réis que por ele tinha pago e lhe tinha emprestado e de um porco que lhe vendi.

E por esta forma dou este testamento por findo e acabado e quero que se cumpra como nele se contém por ser esta a minha última vontade a qual pedi ma fizesse Ezequiel Gração Roma de Marvão por eu não saber escrever o que eu fiz como pessoa particular e com ele assinei.

Moinho da Fonte Santa. 2 de Abril de 1810.

Seguem-se as assinaturas de Ezequiel Gração Roma; e do Testador José Gonçalves Bugalham (que assinou de cruz);”


Assim, amanhã, lá estaremos para recordar o nosso passado, viver o presente, e olhar o futuro...

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Talvez o “saber” não ocupe lugar, e valha a pena aprender...


Como incentivo aos jovens que a partir de hoje se podem inscrever no Ensino Superior, e a todos aqueles que procuram melhorar os seus conhecimentos, e, ainda a respeito de Emprego e Desemprego.

Dos 220 000 portugueses que arranjaram emprego no último ano, todos eles tinham o Ensino Secundário ou um Curso Superior. Em contrapartida, os 140 000 que perderam emprego, a grande maioria tinha habitações escolares inferiores ao Ensino Secundário.

Outro dado a ter em conta, é que apesar de se fazer crer que o Sistema de Ensino em Portugal nos últimos 40 anos tem sido uma maravilha (que agora é que se está a destruir o sistema), apenas 40% dos portugueses com mais de 25 anos têm o Ensino Secundário ou mais; enquanto que na União Europeia essa taxa é de 75%; e até na nossa vizinha Espanha essa Taxa é de 60%

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Umas “estatísticas” de vez em quando, sempre dá para irmos pensando (1)


Desemprego: O cancro social

O “cancro” social do nosso tempo é o Desemprego. Embora também soframos de “diabetes” (o endividamento), e de “hipertensão grave” (os custos com a energia). Para não falarmos de outras maleitas que nos apoquentam, e não nos irão largar, como sarna, nas próximas décadas. Não me irei aqui debruçar profundamente sobre este fenómeno que é o Desemprego, isso é para os especialistas, apenas aqui quero trazer alguns dados e reflexão, para que cada um faça a sua análise.

Contrariamente ao que nos querem fazer querer na comunicação social, através dos «papagaios canhotos», o Desemprego, não é apenas fruto da governação de Passos Coelho ou das consequências da intervenção da “troika”, o Desemprego tem raizes mais profundas, e veio subindo de maneira constante desde 2005. Isto é, desde que José Sócrates e os socialistas entraram no governo. Como se pode ver no Gráfico 1. 


Em 2005, quando Sócrates chegou ao governo, o Desemprego afectava 8% da população em idade activa, cerca de 420 000 mil portugueses. Em 2011 quando Sócrates se demitiu, a percentagem de desempregados era de 12%, isto é, 630 000 portugueses. Quem não se lembra dos célebres cartazes socráticos que em 2005 prometiam 150 000 empregos? Se alguém já se esqueceu, como parece que sim, aqui fica um exemplar na Figura 1. 

 


Apesar de todos os investimentos públicos, provenientes de empréstimos, e, a respectiva propaganda, em 6 anos não só não se criaram mais 150 000, como ainda se perderam mais 210 000 empregos.

Portanto a herança socrática em 2011 foram 630 mil desempregados. E se repararmos bem no Gráfico 1, desde 2008 que a subida foi sempre constante até ao 1º trimestre de 2013, em que a percentagem do desemprego chegou aos cerca de 17%, e atingindo cerca de 900 000 portugueses. Se retirarmos os tais 630 mil de 2011, encontramos um aumento de 270 000 mil portugueses desempregados. Este sim foi o número que se deve ao actual Governo.

Podemos assim concluir, em nome da verdade, que entre 2005 e 2013 o número de desempregados em Portugal aumentou em cerca de 480 mil: 210 mil no Governo de Sócrates e 270 mil no Governo de Passos Coelho.   

No entanto, podemos ainda verificar no Gráfico que a partir do 1º trimestre de 2013 a situação parece ter começado a inverter-se, e em Junho de 2014 o nº de desempregados em Portugal rondava os 788 000, isto é menos 130 000 que em Março de 2013. 

São “ainda” muitos? Claro que sim, mas pela primeira vez em 10 anos a curva baixou. Veremos os próximos meses.

Só que como agravante deste problema, deste total de desempregados, apenas 341 mil (menos de metade), têm subsídio de desemprego. E custam aos contribuintes quase 3 000 milhões de euros.

Claro que não irão faltar aqueles que dizem que o Desemprego desceu porque os portugueses emigraram! Sim é verdade, alguns. Mas de acordo com o INE, do total desses 138 000 que deixaram os Centros de Emprego, apenas 40 mil emigraram; 20 mil morreram ou passaram à reforma; mas perto de 78 mil arranjaram trabalho em Portugal.

Outros dados que convém ter em conta são os “custos” do desemprego, suportados pelos contribuintes, nos últimos 12 anos. Como se pode ver no Gráfico 2, desde 2000 que esses custos não param de crescer, triplicando desde essa data: Cerca de 800 milhões de euros em 2000, passaram para 2. 600 milhões em 2012. E de acordo com alguns dados conhecidos esses valores aumentaram em 2013.



segunda-feira, 14 de julho de 2014

Em "latim" nos entendemos, nem que seja a cantar (4)


"No, no digas que yo me muero, amor, mi vida es sufrimiento, yo te quiero en mi camino, por vos cambiaba mi destino.

Ay, abrazame esta noche, y, aunque no tengas ganas, prefeiero que me mientas, tristes breves nuestras vidas. Acercate a mí, abrazame a ti por Dios, entregate a mis brazos.

Tengo un corazón ganando, yo sé que vos me estas escuchando, con mis lagrimas te quiero: Pasión, sos mi amor sincero..."


sábado, 12 de julho de 2014

In nomine dei?



A que chamam de terra santa!
(Conflito Israel - Palestina) 



sexta-feira, 11 de julho de 2014

Um “Bin Laden” português ???


Eu sempre o considerei um dos maiores responsáveis pela situação financeira a que chegámos, como aqui escrevi em Maio de 2011, o todo-poderoso Victor Constâncio, mas vê-lo dito por um seu “camarada”, e comparado com a figura funesta do “osama”, “arre porra” que é muito forte:

“O responsável número um da nossa desgraça é um banqueiro central - O economista e ex-ministro da Economia de António Guterres, Daniel Bessa, afirmou no Porto que “o responsável número um da nossa desgraça é um banqueiro central, cujo nome, porém, omitiu.

“O engenheiro Sócrates é muito responsabilizado, e não há ninguém que o responsabilize mais do que eu, mas eu vejo-o como aquele egípcio que tomou os comandos do Boeing que se precipitou sobre as Torres Gémeas, continuou Daniel Bessa. (…)

Daniel Bessa disse que já o Boeing ia a caminho das Torres Gémeas e ele (José Sócrates), no cumprimento de um guião qualquer, sentou-se ao comando, acelerou quanto pôde e, connosco lá dentro, enfiou-se contra as Torres Gémeas.

É um destino, não tem nada de mal, cada um cumpre a sua função na vida e portanto ficará para a história por isso. Mas essa não é a responsabilidade maior. A responsabilidade maior é do mentor, não é do executante, e o mentor esteva no Banco de Portugal”, prosseguiu Daniel Bessa, fazendo rir a assistência.

Segundo concluiu o economista, o mentor disse que a partir da entrada no Euro, uma pequena economia aberta e financeiramente integrada, no regime de moeda única, não tem restrições financeiras. Endividar até sempre."

Notas complementares:

- 23 /2/2000: Victor Constâncio na sua tomada de posse como Governador do Banco de Portugal: “Sem moeda própria não voltaremos a ter problemas de balança de pagamentos iguais aos do passado. Não existe um problema monetário macroeconómico e não há que tomar medidas restritivas por causa da balança de pagamentos. Ninguém analisa a dimensão macro da balança externa do Mississipi ou de qualquer outra região de uma grande união monetária.”

- 02/07/2003: “O governador do Banco de Portugal relativizou inclusivamente a importância (…) do endividamento dos agentes económicos e o necessário ajustamento das suas poupanças, do endividamento da banca ao exterior ou das questões estruturais da competitividade.”

- 1/6/2009: Endividamento externo não é prioridade, defende Vítor Constâncio


ADENDA: Os sócraticos desmentem a tese de Daniel Bessa. Garantem que a culpa é mesmo do seu chefe.

Mas ainda falta o outro grande responsável. Não é Sócrates, não é o Coelho, não é o Barroso, não é o Guterres, nem pensar no Santana que nem aqueceu o lugar, o Soares já foi há tanto tempo!


Quem será?

O assunto do momento....


Em poesia, pelo Rui Rocha:

“Ó bes salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te mantermos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas encolheram os pés
Para ficares com o nosso, ó bes!!


... ou em prosa, por Sérgio de Almeida Correia:

“ (...) O BES é o espelho da falência do regime nos moldes em que este tem operado, o resultado da podridão de interesses do bloco central e do consenso a que o Presidente da República apela permanentemente como panaceia universal para os problemas dos portugueses. O consenso trouxe-nos, e ao BES, até aqui, pelo que agora será necessário haver quem corte a direito e malhe no ferro enquanto está quente, antes que o consenso o faça esfriar. Não há quem na actual elite política e económica, sem esquecer os escritórios e as empresas dos mercenários ao serviço do poder, que tudo fazem desde que lhes paguem, não tivesse uma ligação qualquer ao BES, a uma empresa do universo desse grupo ou a um negócio onde aparecesse a sua longa mão.”


Coisas tristes vistas por aí...


A propósito desta notícia:

- Detidos pais de criança britânica de 11 anos que tem 1,50 de altura e pesa 95 quilos.

Maltratar um filho não é apenas dar-lhe umas “orelhadas”, ou decretar-lhe uns castigos psicológicos. Maltratar um filho é, também, encharcá-lo com comida, e dizer-lhe que actividade física é fazer jogos mais activos na “Consola”!

A opinião supra é uma adaptação minha do principio do Dr. Ernesto Roma (“pai” do tratamento da Diabetes em Portugal): “Ser mal educado não é apenas aquele que fala mal ou diz palavrões. Mal educado é, também aquele que come mal, e o GORDO, come certamente mal...”

Acho que em Portugal se deveria começar a fazer a mesma coisa, mas com pelo menos uns mesinhos de detenção...
 

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Contas à moda da esquerda (1)


Não pagar metade da dívida? É fácil: expropriam-se os bancos
Por José Manuel Fernandes


“ (...) Durante muitas décadas os socialistas, de todas as latitudes, acharam que não havia limites para as suas políticas redistributivas enquanto fosse possível cobrar mais e mais impostos. Quando o dinheiro dos outros acabou, passaram a fazer dívida, acreditando no milagre do crescimento futuro. Quando o crescimento não veio e as dívidas se tornaram incomportáveis, passaram a falar em não pagar as dívidas. É nessa fase que estamos. Nunca lhes ocorreu que, pura e simplesmente, era necessário mudar de vida. Qualquer mudança de vida foi sempre apresentada como uma recusa da própria democracia.”

Artigo completo AQUI...

quarta-feira, 9 de julho de 2014

O mundo dos outros...

Por Maria João Marques

“Não há muitos anos todos os jornalistas se persignavam perante qualquer messias socialista. Agora já se faz mais algum escrutínio. Mais ou menos.

Inícios de 2002, numa sala de espera de um consultório ao pé do Marquês de Pombal. Havia uma revista Visão e pus-me a lê-la enquanto esperava pelo (atrasado) médico. Estávamos em campanha eleitoral para as legislativas, depois de Guterres ter fugido do pântano que criou.

Na Visão havia duas reportagens. Uma sobre a campanha de Durão Barroso, com o tom trocista que se esperava (o cherne, recordam-se?). A outra, sobre a campanha de Ferro Rodrigues (alguém tão capaz de criar empatia com o eleitorado como o glaciar médio), tinha um tom diferente. Os cristãos mais conservadores não falam de Nossa Senhora como o jornalista falava de Ferro Rodrigues, ser radioso que ostentava todas as qualidades possíveis num ser humano. Quando fui chamada para a consulta, ia com a certeza que o jornalista (nome conhecido, de resto) tinha acabado de escrever o texto com lágrimas de comoção no canto do olho por ter versado sobre objecto tão sublime e ter participado na nobre missão de o dar a conhecer ao mundo.

Em 2004, o senhor ‘há vida para além do défice’ (também por vezes conhecido como Jorge Sampaio) finalmente escorraçou o usurpador Pedro Santana Lopes da chefia do governo. Tão marcante evento – a dissolução do Parlamento com uma maioria absoluta estável só porque se embirra com o primeiro-ministro e se quer fazer um favor ao partido – em vez de provocar indignação ou, no mínimo, uma prudente reserva, levou a comunicação social a um paroxismo de entusiasmo com o senhor socialista que se seguia (esse mesmo, José Sócrates). Qualquer pessoa com espírito crítico funcional se questionava se havia alguma epidemia do foro neurológico que tivesse atacado a quase totalidade das redacções portuguesas.

Mas 2014 não é 2002, nem 2004. Pelo meio tivemos a boa governação socrática, que terminou com o país a necessitar de um resgate financeiro internacional. E se o PS aparentemente não aprendeu nada com o que presenteou o país (a parte que até aprendeu alguma coisa – a ala de Seguro – andou anos a fingir que não; e não sei bem o que é pior: se a incapacidade de aprendizagem, se a sonsice), muitos jornalistas e comentadores aprenderam.

Donde: agora que temos novo messias socialista (António Costa – persignemo-nos), a comunicação social já não se deixa arrebatar com tanta facilidade. É certo que há quem ainda refira a maravilhosa argúcia política de Costa porque este se distanciou da promessa de uma aliança à esquerda para remendar a sua promessa de aliança à esquerda.

Também não notei nenhum sarcasmo quando informaram que ‘a’ Cultura apoia Costa, a propósito da petição de gente ligada às actividades culturais que apoia Costa e se acha ‘a’ Cultura. (Presunção e água benta, cada qual toma a que quer. Sei lá por que razão, lembrei-me disto). De resto espero que esta moda persista no futuro. Tenho grandes expectativas de um dia também apoiar alguém e intitular-me ‘a economia’ ou ‘a blogosfera’

E, ainda, estranhei a ausência de notícias dando conta que Costa tinha espalhado por toda Lisboa cartazes congratulando Carlos do Carmo, que é por sua vez ‘a’ Cultura que apoia Costa na tal petição. (Já que estamos numa onda de celebrar desmesuradamente um Grammy latino, aproveito para informar que o meu filho mais novo passou para o cinto acima no karaté. Aguardo parabéns de António Costa. E se pudesse substituir um dos vários cartazes da minha rua celebrando o Grammy pela celebração do cinto, o miúdo ia ficar satisfeito.)

Mas como vivemos no pós 2011, há já muito quem note a vacuidade e a banalidade de tudo o que Costa (não) propõe. A ideia de ‘aumentar a riqueza’ para resolver os problemas nacionais foi legitimamente gozada em todas as casas portuguesas que albergam cérebros pensantes. E há a maçada das notícias das confusões nas contas da CML de 2013. Ou Alfredo Barroso fugindo do flip-flop de Costa quanto às alianças à esquerda. Ou a cedência total de Costa (com custo para o contribuinte de mais de 2 milhões de euros) para terminar a greve à recolha do lixo em Lisboa. Ou os boys PS, e familiares de socialistas proeminentes, que Costa albergou na CML. E se vier a liderar o PS, mais virão.

 Em suma: os media vão ganhando juízo e a democracia cresce em altura e sabedoria.”

Mudam-se os tempos, mudam-se as piadas....


Afinal,  foi assim que a Alemanha ganhou a guerra!



terça-feira, 8 de julho de 2014

Nos últimos 40 anos, o Estado, tem tido uma política financeira do tipo “Dona Branca”...


A afirmação deste título, não é de um qualquer radical, pertence ao Professor Daniel Bessa, um moderado, e que passou, meteoricamente, por um dos governos de António Guterres.

O programa da Hiperligação que refiro abaixo, foi certamente um dos melhores que assisti sobre economia e finanças públicas, com uma linguagem simples que merece ser visto e reflectido. Aconselho-o, sobretudo, aos meus amigos socialistas (quer os do PS, quer alguns do PSD que também os há), e porque não, também, aos comunistas (os não sectários), para que qualquer dia não venham dizer que não sabiam, que ninguém avisou, etc.

Vale a pena perder uma hora na vida.

http://www.tvi24.iol.pt/programa/4407/132

Alô, alô Vidiguêra...




O quê, até os camaradas comunistas não respeitam as minorias! Com amigos assim, os ciganos até dispensam os neoliberais laranjas. A estas horas já os “lelos” escreveram nas paredes:

O Presidente da Câmara é "Facista"

E alguém vai ter que escrever por baixo: Não, não, é Comunista!!!

Que pensarão disto os camaradas Jerónimo, Arménio, Nogueira, ou mesmo a Dona Heloísa?