sexta-feira, 31 de julho de 2015

Para o Pedro (passado este tempo parece um sonho)...


Há 4 anos por estas horas, um amigo na flor da idade, passava uns maus momentos, tinha sido vítima de um “pequeno” pontapé da vida. Pequeno hoje, passados estes anos. Na altura foi um grande chuto.

Hoje ele anda por aí graças aos avanços tecnológicos da saúde, à sua família, aos seus amigos mas, sobretudo, à sua força de lutar pela vida e vontade de vencer. Passados que são 4 anos sobre esse incidente de percurso, recordo aqui, algo do que escrevi nessa altura.




Este é o momento amigo:

Esta é a oportunidade do golo que não podes falhar
Esta é a corrida que não podes interromper
Está à tua espera o copo que te falta beber
E há uma música que ainda te falta cantar

                                                         E nós estamos aqui...



Meu caro, espero que ao receberes esta minha missiva, te encontres no melhor estadio possível, que nós por cá vamos indo assim-assim, como dirão alguns; ou bem graças a Deus, dirão outros.

Soube que o meu amigo iniciou há dias uma viagem, que todos pensámos que seria breve, mas parece que afinal, a coisa se tem prolongado. Por isso, quero desde já dizer-te, que todos nós lamentamos a tua ausência, e que, diga-se em abono da verdade, até não estamos muito agradados contigo, por disso não nos teres dado conhecimento antecipado, pois, como sabes, qualquer um de nós te teria impedido dessa deliberação. Mas como somos mesmo teus amigos, quero desde já esclarecer-te que estás completamente desculpado, pois aos amigos tudo se perdoa.

Antes de te dar conhecimento, do que me têm confidenciado alguns amigos durante a tua ausência, pois sei que tens tido notícias daqueles que te são mais queridos: a tua família; gostaria de te dar algumas pequenas notícias, que gostarás de saber, como pessoa informada que sei que gostas de ser.

Assim, em primeiro lugar não posso deixar de te transmitir que o nosso “benfas” continua igual a si próprio, inimitável, tal qual como no ano passado. Num dia promete mundos e fundos, no dia a seguir é banal. Vê bem que até empatou com os galos de barcelos! Depois de ter estado a ganhar por dois... O jesus está cada vez mais ateu! Por isso é que, não fosse a imensa tristeza que me dá cada vez que vou ao teu Blog e vejo que ainda não tiveste oportunidade para nos dares notícias tuas, até ficaria satisfeito pela triste figura em que lá o postaste no teu último artigo. Só acho que lhe falta as tais orelhas de asno, que se usavam no tempo da outra senhora, para estar perfeito! Este ano só vamos à catedral quando tu regressares...

Em segundo lugar, parece que tua “ grupa” cancelou a digressão prevista para Agosto aqui pelo nordeste alentejano. Mas tanto quanto consegui saber, os programas para Setembro estão intactos e requerem a tua presença com a maior brevidade possível. Ora sabendo eu, da paixão daquela gente pelo projecto, só me resta interceder junto do meu amigo, para que não os faças esperar muito mais tempo e regresses quanto antes, pois a sua ansiedade pelo teu regresso, garanto-te eu, que é imensa.

Gostaria ainda de te dizer, que o nosso “jantar tortulhano” mensal de Agosto foi adiado, para te darmos mais algum tempo para programares o teu regresso com calma. O meliante do Bonacho sempre na ironia, como tu bem sabes, anda dizer que, em vez de ervas e milho para alimentar os patos e o galo, os anda a enfrascar com “hormonas de engorda”, não vás tu aparecer aqui a qualquer momento e, os maganos, estejam só com as penas e osso. Eu até já lhe disse que o não fizesse, pois se tal acontecer, nós até nos prestávamos a romper a tal promessa, e iríamos ao “primo de marvão” comemorar o teu regresso, com uma festita de arromba. Por isso imagina lá do que nós somos capazes, só para te termos junto de nós.

Quanto ao grupo de amigos que desde o dia trinta do passado mês de Julho, quase diariamente, têm perguntado pelo meu amigo, não resisto a deixar aqui os seus nomes, com o único propósito de te transmitir uma força imensa, e incentivar o teu regresso para junto de nós. E já agora, e a teu belo gosto, todos te enviam um abraço do tamanho do mundo, com alguns beijinhos á mistura:

Adelaide, Antero Ribeiro, António João Raposo, António Machado, Bicho, Bonacho, Bonito, Carlos Sequeira, Catarina Bucho, Céu Garcia, Chaparro, Conceição Bugalhão, Enf.º Oliveira, Escarameia, Fátima Dias, Fernando Gomes, Garraio, Gomes Esteves, Hermínio, Jacinta Fernandes, João Carlos Anselmo, João de Brito, João José Escarameia, Joaquim Barbas, Joaquim Chaparro, Jorge Miranda, José Domingos Felizardo, Júlia Barradas, Leonel, Luís Barradas, Luís Bugalhão, Luísa Bugalhão, Magafo, Manuel Andrade, Manuel Gaio, Maria Manuel, Mário Bugalhão, Nani, Nuno Mota, Nuno Pires, Paula Guedelha, Paulo Mota, Paulo Estorninho Mota, Pedro Graça, Sofia Anselmo, Tó Caldeira; e outros que por falha minha não registei...

E deste teu amigo recebe tudo, embora o que eu te quero dizer a sério, é que estou à tua espera para te abraçar, para me contares pormenores da viagem, e para cumprirmos a tal promessa de caminhada em tempos combinada: a de irmos à vila de Fátima. Mas não penses que será apenas ida …, vamos e regressamos a pé!

Deste que muito te considera

João Bugalhão



quinta-feira, 30 de julho de 2015

...dos meus gostos para além da portuguesa (1)


“Dicen que por las noches / No mas se le iba en puro llorar, / Dicen que no comía / No mas se le iba en puro tomar; / Juran que el mismo cielo / Se estremecia al oír su llanto / Como sufrió por ella, / Que hasta a en su murte la fue llamando: / Cucurrucucú, cantaba, / Cucurrucucú, lloraba.”


segunda-feira, 27 de julho de 2015

... dos homens não se querem bonitos!


Pela enésima vez: 


Prometo não falar de amor, de gostar e sentir, portanto não vou rimar com dor ou mentir. Joga-se pelo prazer de jogar e, até perder, invadem-se espaços trocam-se beijos sem escolher. Homens temporariamente sós que cabeças no ar...

Não interessam retratos de solidão interior, não há qualquer tragédia mas, um vinho a beber. Partidas regressos conquistas, a fazer, tudo anotado numa memória que quer esquecer. Homens sempre, sempre sós, preferem perder.


Homens sempre sós são bolas de ténis no ar, muito abatidos saltam e, acabam por enganar. Homens sempre sós nunca conseguem...

Como eu te compreendo Rui...


terça-feira, 21 de julho de 2015

...e vão 5! (continuação)


- Resumo de futura história de uma família com 4 séculos



- A poesia na sua simplicidade 

video


- Continuação da poesia na sua simplicidade, mas atenção ao "espontâneo" por volta do minuto 3: "o mache do mê avô nã (o) gostava de lavrar/o mê avô também nã (o)..."

video



- Será que um dia vai mesmo acontecer

video

segunda-feira, 20 de julho de 2015

...e vão 5!


Como tinha anunciado, aconteceu no último sábado, mais um Encontro da família Bugalhão. Mais uma vez nas margens do rio Sever por ali se ajuntaram cerca de 60 familiares, uns pela genética e outros pela afinidade.

Para além do bom repasto servido no Restaurante Sever, foram umas boas horas de convívio entre familiares oriundos das diversas partes deste Portugal onde se encontram radicados, em que alguns, apenas se vêem por estas ocasiões.  

O último ano foi trágico para esta família, já que alguns e assim, sem que se previsse, nos deixaram fisicamente. Mas estiveram presentes, porque deles não nos esquecemos.

A organização esteve impecável, parabéns à Jacinta Bugalhão. A iniciativa das poesias superou as expectativas e deixou, certamente, água na boca para próximos encontros. Assim como a promessa de editar futuramente a História da Família. No próximo ano lá estaremos, tem a organização o Fred. (Frederico Luz).   

(Galeria de fotos "roubadas" por aí)



































terça-feira, 14 de julho de 2015

V Encontro da Família Bugalhão: 18/7/2015


Aí está mais um encontro da família Bugalhão, será já no próximo sábado dia 18/7. Será o 5º, uma actividade ininterrupta que iniciámos em 2011. Será mais uma vez no Restaurante o Sever, na Portagem.

Bugalhão, este apelido estranho mas único, que aparece pela primeira vez em registos no final do século XVII, ostentado por uma família de moleiros estabelecida ao longo do Rio Sever no concelho de Marvão, mas que se perde nos séculos anteriores e que resulta da junção de 2 apelidos: Toureiro e Serrano. O primeiro oriundo da vila de Alpalhão, que terá chegado ao concelho de Marvão ainda no início do século XVIII; e os Serranos oriundos da zona da Serra da Estrela (concelho da Guarda) chegados a estas paragens, talvez em finais do século XVI princípios do século XVII. A sua origem continua um mistério!

Mas no próximo sábado o que queremos é conviver entre familiares espalhados por todo o país, e celebrar as 4 ou 5 gerações presentes. Mas também relembrar aqueles que, de forma física definitiva, nos vão deixando a cada ano que passa.

Por isso, enquanto a vida nos deixar, lá estaremos...



quinta-feira, 9 de julho de 2015

Crónica de uma “contratação” anunciada...


...ou mais uma “estórea” orquestrada pelo eng.º Vítor & companhia!

É dito e sabido que, a maioria das contratações na administração pública está envolta em mantos de nebulosidade. O problema agravou-se com a inibição de abertura de concursos de admissão de pessoal. Os regulamentos de recrutamento são cada vez mais obscuros e, os dirigentes, servem-se de todas as artimanhas para levar a água ao seu moinho. Isto é, contratarem aqueles que muito bem querem e lhes apetece, nomeadamente, a sua clientela partidária, amigos, ou amigos dos amigos. Este problema tem ainda maior dimensão na Administração Local.

A “estórea” que hoje vos quero contar, não ma contou certa velhinha, como diz o fado do embuçado, mas ouvi-a “por aí”. Umas vezes pela boca dos próprios, outras vezes pelo ruído, mais conhecido popularmente por “zum-zuns” ou falatórios, que circulam em torno destes casos. Eu vou ouvindo, escutando, e agora escrevo a presente crónica a que dou o nome de “uma contratação anunciada...”. Então cá vai:

Num certo dia do último mês de Maio, estando eu a assistir a uma Reunião da CM de Marvão, às pás nas tantas, naquelas conversinhas de embalar, ou do chove e não molha, de que o senhor eng.º Vítor, presidente da dita é mestre, e que não é para fazer parte das actas (como ele nunca se esquece de frisar), mas apenas para auscultar da sensibilidade dos seus vereadores sobre aquilo que anda a instrumentar na sua cabeça, saiu-se com esta:

“...como vós sabeis a Técnica que aqui tínhamos a trabalhar nos projectos de fundos europeus (que até é empregada actualmente das “terras de marvão”), vai sair (não disse porquê, mas até há pouco tempo dizia que ela era a melhor do mundo e arredores), e eu (ele) ando a pensar em trazer para cá uma pessoa de Portalegre muito experiente na coisa, fez um excelente trabalho na Câmara de Portalegre, mexe-se muito bem em Évora, é a doutora Teresa Narciso. Que pensais vós do assunto?

Claro que ninguém opinou nada sobre o assunto, e o senhor engenheiro lá continuou com a sua ideia, que era a de fazer um contrato de prestação de serviços com uma tal de Teresa Narciso. E claro por Ajuste Directo, a modalidade quase sempre usada na CM de Marvão, como já aqui escrevi. Se assim a pensou, assim a executou. E na Reunião de Câmara do dia 1 de Junho de 2015, e dissimulada num assunto que dava pelo nome de “Plano de Acção de Regeneração Urbana”, lá aparecia a Proposta do senhor engenheiro presidente, para a contratação da tal Técnica, e que aqui reproduzo em baixo, para que não pensais que eu ando a inventar:        



Mas se já tudo estava decidido que seria Teresa Narciso (digo eu), porque razão aparecem nesta Proposta mais 2 nomes? Possivelmente porque, dias antes, o Vereador Nuno Pires, lhe havia “xingado” a cabeça pelo facto de na CM de Marvão, as contratações por Ajustes Directos aparecer sempre, e só, uma única pessoa ou uma empresa contactadas, sabendo-se que até existe uma Plataforma Electrónica com a finalidade de tornar estes processos mais baratos e transparentes (mas que era desconhecida na CM de Marvão até há 2 meses atrás). 

Eis por isso que, desta vez o senhor eng.º Vítor aparece aqui com mais 2 nomes, que aparecem aqui não caídos do céu, mas vindos de terras distantes como Arouca e Castanheira de Pêra. Muitos conhecimentos tem este senhor eng.º. Nem o "olheiro" do Benfica descobriria esta gente!

Até me apetece citar o António Aleixo: Para a mentira ser segura/e atingir profundidade/tem de trazer à mistura/qualquer coisa de verdade.

Ainda no seguimento deste processo, e aquando da discussão desta Proposta do eng.º Vítor à Câmara Municipal, ficam ainda outras dúvidas. Mormente, a da apresentação pelo Vereador do PS Carlos Castelinho de mais 2 Empresas interessadas neste processo, em que uma delas até era do concelho de Marvão, mas que foram rejeitadas pelo presidente e “seus” vereadores, como se pode ler aqui no estrato da Acta de Reunião de Câmara realizada em 1 de Junho de 2015:

Posto isto, ou muito me engano, ou por capricho do destino, será escolhida por Ajuste Directo, a tal predilecta doutora Teresa Narciso, Técnica Superior na CM de Portalegre, que irá custar ao tão depauperado erário público, 22 140 euros (18 000 + IVA) em 9 meses (média de 2 500 euros/mês). Mas que a dita juntará ao seu ordenado de Técnica Superior na AP!

Diz-se ainda por aí, acerca desta tão prestimosa técnica que, de facto ela trabalhou em tempos nesta área dos Projectos de Fundos Europeus, no tempo em que o amigo do eng.º Vítor, eng.º Mata Cáceres era presidente da CM de Portalegre (parece que até era uma das suas discípulas), mas que após a chegada à presidência de Adelaide Teixeira, esta não a achou assim tão idónea, e a acomodou na “prateleira”! Mas isto devem ser más-línguas.

Mas levando a coisa mais a sério, convirá questionar o senhor eng.º Vítor com uma série de dúvidas que devem apoquentar os marvanenses:

1 – Por que será que se vão gastar 22 000 mil euros em 9 meses, com uma Avença, numa pessoa que tem um posto de trabalho de Técnica Superior bem remunerada, numa outra autarquia; em vez de se fazer um contrato com uma outra Técnica que se tire do desemprego e que seja no futuro uma mais-valia para o concelho de Marvão?

2 – Por que razão o eng.º Vítor e seus vereadores, recusaram aceitar que entrasse no processo de adjudicação uma empresa que até é do concelho de Marvão, e emprega vários técnicos que residem, ou são naturais do concelho de Marvão?

3 – Por que razão não se fez uma Avença com a actual Técnica (Madalena Mata) se tinha sido, como diz o eng.º Vítor, tão competente na gestão do anterior Quadro Comunitário?

4 – Por que razão o senhor eng.º Vítor anuncia à Câmara de Marvão, antecipadamente às consultas dos vários concorrentes (Maio de 2015), o nome da pessoa já escolhida? Quem lhe encomendou o recado? Terá sido a tal “companhia”?

5 – Se a tal Técnica é tão “boa” nessas áreas, por que motivo na Autarquia onde trabalha, não desempenha essas actividades?

Respostas exigem-se...

Nota: Nada tenho contra a referida Técnica, nem tão pouco a conheço. O que está aqui em causa, é uma determinada forma de fazer política e gerir os destinos do concelho de Marvão, a que urge por fim.

terça-feira, 7 de julho de 2015

Contribuições para uma escolha consciente (1)


Início hoje uma rubrica que pretende dar a conhecer alguns dados para que, quando Outubro chegar, aqueles que me lêem possam tomar uma opção eleitoral o mais consciente possível. Os dados que aqui apresento não são de um qualquer fazedor de opinião, são aqueles que considero os mais fidedignos possíveis: do INE, ou da Plataforma Pordata. Claro que haverá sempre aqueles que duvidam de alguma coisa, e mesmo aqueles que duvidam de tudo, pois o que conta é a sua realidade e, dizem eles, os números não enchem barriga. Mas quando se trata de números sobre “aquilo com que se compram os melões”, eu acho que não perdemos nada em dar-lhe uma olhadela. Depois, cada um tirará as suas ilações, eu tiro e opino com a minha.

Falemos da Dívida Pública

Diz-se por aí que, a tão malfadada austeridade não valeu de nada, pois a Dívida Pública não parou de aumentar nestes 4 anos. É verdade, não vale a pena escamotear esse facto. Mas uma coisa é uma dívida que aumenta entre 2005 e 2011 numa média de 15 000 milhões de euros/ano (como no consulado de Sócrates e do Partido Socialista), ultrapassando em 2010 os 26 000 milhões de euros; outra coisa é uma dívida que aumenta 7 000 milhões de euros/ano (consulado de Passos Coelho), isto é, menos de metade em cada ano que passou. Estimando-se mesmo, que no final de 2015, e pela primeira vez na história da democracia portuguesa, a dita tenha uma diminuição de 1 700 milhões de euros, como se pode ver no Gráfico 1 e no Quadro 1 que se complementam. 


                
Quadro 1 - Evolução da Dívida Pública conhecida entre 1991 - 2015
               Fonte: Pordata

Óptimo seria que em 2011 (quando a dívida aumentou 22 600 milhões de euros), com uma “varinha mágica”, se parasse o endividamento. Mas como sabe o menos observador destes fenómenos, tal seria impossível. Se ao reduzir o endividamento em cerca de 8 000 milhões/ano teve o impacto social que teve, como seria se diminuísse 15 000 milhões?

Aliás, será curioso fazer o seguinte exercício teórico e verificar que, se se mantivessem nestes últimos 4 anos as políticas seguidas pelo Partido Socialista (possivelmente com custos idênticos), a Dívida Pública seria no final de 2015 cerca 254 000 milhões de euros (147% do PIB), como se pode ver no Gráfico 2 (Linha rosa). Com as tais “políticas de austeridade”, a Dívida Pública conhecida (Linha azul), será no final de 2015 cerca de 224 000 milhões de euros (130% do PIB).

A diferença será assim de cerca 30 000 milhões de euros o que, na prática, dá uma diminuição de custos actualmente, só em juros, de cerca de 1 500 milhões de euros/ano. Para além dos nossos filhos (de quem dizemos gostar muito), terem na sua herança, menos 30 000 milhões de dívidas contraídos pelos seus paizinhos.  

sexta-feira, 3 de julho de 2015

A “demo cracia” portuguesa no seu melhor...


Um testemunho que vale a pena ler sobre a prática partidária e a liberdade de opinião em Portugal.

Com democracias e democratas assim, porque precisamos nós de ditaduras?